Home / Notícias
Empresário deve separar o negócio de contas pessoais
Postado por Comunicação CRCPE
06/09/2016

A pessoa física deve separar as contas pessoais das atividades financeiras de sua pequena empresa. Essa é a primeira e principal recomendação de especialistas em finanças pessoais consultados pelo DCI.

"Tenha a cultura do planejamento e consiga separar melhor a pessoa física do empresário", sugere o sócio da consultoria financeira Tiex, Fábio Yamamoto. Ele explicou que o planejamento prévio e contínuo evita que a empresa socorra ou pague despesas da pessoa física, e vice-versa, que a pessoa física disponha de seu patrimônio familiar para socorrer uma empresa com dificuldades ligadas ao negócio.

Para facilitar essa separação, Yamamoto recomenda que a pessoa física estabeleça uma retirada formal e periódica da empresa. "Faça esse planejamento e estabeleça valores predeterminados. A retirada pode ser na forma de pró-labore, salário ou dividendos [lucros], o importante é que se respeite os limites estabelecidos. Infelizmente, muita gente acaba confundindo os gastos ao usar o cartão corporativo [da empresa] e depois fica sem recursos para os compromissos com fornecedores", disse.

A recomendação do educador financeiro Rafael Seabra é que a pessoa física faça um fundo de reserva que reúna recursos para pelo menos seis meses de gastos pessoais ou familiares. "Se ele gasta R$ 5 mil por mês, deve ter no mínimo uma reserva de emergência de R$ 30 mil", disse.

A depender do tipo de atividade empresarial é comum passar meses sem resultados para obter receitas maiores à frente, sem que o empresário possa fazer uma retirada de lucros. "O capital é para tocar o negócio. Se confundir o pessoal com a receita da empresa não se consegue pagar fornecedores e funcionários", alerta.

O professor e consultor de finanças Gilberto Miyamoto considera que há muita falta de controle financeiro, e que a pessoa física deve tanto controlar suas despesas domésticas como fazer o planejamento do fluxo de caixa da empresa.

"Para o pequeno, não precisa de um software de gestão, um simples Excel já resolve. Ele lista os pagamentos, projeta as entradas e saídas do caixa. Se não faz essa conta do fluxo de caixa, acaba se tomando dinheiro no cheque especial com juros altíssimos. O empresário que não se planeja dá lucro aos bancos", avisa.

Miyamoto disse que a pessoa física também deve ficar atenta aos rumos dos negócios para não perder patrimônio pessoal ou familiar. "Muitos empresários não sabem se estão ganhando ou perdendo dinheiro no negócio e só olham para o saldo bancário. É preciso fazer uma análise do negócio como um todo e verificar se está dando lucro ou prejuízo. Outro ponto a observar: toda empresa que cresce [por exemplo] demanda capital de giro, o negócio pode estar indo muito bem e quebrar por falta de capital", adverte.

O CEO da recuperadora de crédito Siscom, Satoshi Fukuura, também orienta sobre os desafios de se trabalhar num ambiente de recessão. "Em época de vendas baixas, acaba-se usando os recursos da pessoa física. O empresário apertado vai vivendo um dia de cada vez, sem pensar no amanhã, ele tem que planejar o fluxo de caixa", diz. Ele nota que em muitos casos, o empresário tem faturamento, mas não controla a inadimplência dos clientes. "Nesta crise, se você não cobra, não recebe. Recebe quem cobra primeiro."

Por fim, o professor de gestão financeira da Opet, Jefferson Fischer, sugere que a vida pessoal do pequeno empreendedor também precisa estar organizada. "Precisa estar superavitário em casa. Por isso, a importância de ter uma estrutura de pró-labore. Todo mundo precisa de salário, mas também de obedecer à risca seu orçamento", diz o professor.

Ao pequeno empresário, Fischer recomenda usar dinheiro de curto prazo dos bancos, o mínimo possível. "Não há empresário que fature o suficiente para pagar os juros do cheque especial e do cartão corporativo", considerou Fischer.

Hora de parar

Yamamoto, da Tiex, também alertou que a pessoa física deve saber reconhecer quando o negócio não está dando certo. "Alguns indícios como prejuízos seguidos podem servir de reflexão. Ninguém investe para perder, mas é preciso estar preparado para fechar", disse.

Em outras palavras, o empreendedor deve acompanhar com atenção a empresa e perceber se os aportes de capital vão gerar resultados no prazo planejado. "Não insistir em algo sem perspectivas", avisa.

 

Fonte: Fenacon




Últimas notícias

22/06/2017 - Tributação Monofásica do PIS/COFINS – Receita Esclarece Dúvidas

22/06/2017 - Inscrições abertas para a 2º edição do Exame de Suficiência de 2017

22/06/2017 - Isenções de ICMS – Disponibilidade ao contribuinte

22/06/2017 - Débitos de ICMS e ISS encaminhados para inscrição em dívida ativa

22/06/2017 - Cidade de Araripina recebe mais uma edição do projeto Rota Contábil



ENDEREÇOS
Sede:
Rua do Sossego, 693, Santo Amaro
CEP: 50100-150, Recife, PE
   
Subsedes e Delegacias
Clique aqui
CONTATOS
(81) 2122-6011
crcpe@crcpe.org.br

 



REDES SOCIAIS