Home / Notícias
Em 2019, Brasil sonegou em impostos uma montanha de R$ 417 bilhões
Postado por Comunicação CRCPE
10/12/2020

Sonegar é, entre outras coisas, o ato de tapar, ocultar, abafar, disfarçar, esconder, eclipsar, camuflar, guardar, mascarar ou negar o que se tem de fato.

Sonegar imposto é crime.

Mesmo assim, em 2019, a sonegação tributária alcançou no Brasil a escandalosa cifra de R$ 417 bilhões, segundo revela o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).

Ainda de acordo com a mesma fonte, o que deixou de ser arrecadado pelo erário representou 15% de toda a sua receita em impostos.

Mas as coisas melhoraram: em 2002, na primeira edição do estudo do IBPT, o índice era de 32%.

“Os novos sistemas de controles fiscais fazem com que o país tenha hoje menor índice de sonegação empresarial da América Latina. Além disso, a complexidade do sistema tributário brasileiro faz com que os contribuintes tenham dúvidas, o que acaba gerando inconsistências nos lançamentos fiscais”, como explica o ‘head’ de estudos do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral.

O estudo revela que 62% dos autos de infração são identificados por causa do cruzamento eletrônico das obrigações acessórias e do compartilhamento de informações entre os fiscos federal, estaduais e municipais.

Há um detalhe interessante: o estudo anota um crescimento dos autos de infração após o mês de novembro, o que se deve ao aumento do volume de vendas da Black Friday e de fim de ano.

Ainda segundo o estudo do IBPT, os indícios de sonegação estão presentes em 47% das pequenas empresas, em 31% das de médio porte e em 16% das de grande porte.

O líder dos estudos do IBPT explica que 65% do valor em real das sonegações podem ser recuperados, mas outros 35%, não, pois o custo para fazê-lo é tão alto que inviabilizaria o esforço.

Outro detalhe: “80% das autuações emitidas pela Receita Federal em 2019 tiveram como alvo grandes contribuintes”, informou Gilberto Luiz do Amaral.

E para terminar, outro dado do estudo do IBPT: a sonegação de tributos federais é maior no setor industrial, seguindo pelas empresas de serviços financeiros, empresas de prestação de serviços e o comércio.

As empresas de serviços financeiros apresentaram um aumento na sonegação de tributos federais de 252,3% entre os anos de 2018 e 2019.

O tributo mais sonegado no ano passado de 2019 foi o Imposto de Renda, levemente à frente do ICMS.

Já em 2018, o ICMS foi o mais sonegado, tendo na segunda e terceira posições o Imposto de Renda e o CSLL, respectivamente.
Contando apenas a sonegação de ICMS, por atividade, o setor do comércio é o que mais sonega; em seguida vêm as empresas industriais e as prestadoras de serviços.

Fonte: Diário do Nordeste




Últimas notícias

12/04/2021 - Receita Federal adia o prazo de entrega da Declaração de Imposto de Renda

09/04/2021 - Confira os cursos credenciados no Programa de Educação Profissional Continuada

08/04/2021 - Projeto impede classificação do Simples Nacional como renúncia fiscal

08/04/2021 - Lei amplia limite da margem para contratação de crédito consignado

08/04/2021 - Data de entrega da Rais é prorrogada para o dia 30 de abril



ENDEREÇOS
Sede:
Rua do Sossego, 693, Santo Amaro
CEP: 50100-150, Recife, PE
   
Subsedes e Delegacias
Clique aqui
CONTATOS
(81) 2122-6011
crcpe@crcpe.org.br

 



REDES SOCIAIS